Menu

5 de abril de 2011

Tempo perdido, desvalorizado, mentido e por fim, vivido.



As pessoas descrevem seus esquecimentos,
e culpam sempre sua falta de tempo.
Deixam de realizar seus planos e sonhos,
pelo tempo que acham não pertencer a seus patrimônios.

Vivem dizendo que há contratempos,
mentiras não convencidas, onde estão os sentimentos?

E com essas mentiras só sentem falta de tempo;
tempo de amar, de viver, de causar e de se atrever.
Pois além de tudo, são as lembranças boas que ficarão.
E vocês verão, que a única falta que haverá no fim
será a falta do que você passou enfim.
Mesmo que no meio de tudo tenha aprendido a não a desvalorizar,
são tempos que não irão voltar.

Pois na sua lembrança eles estarão lá e ali, 
mas nunca voltarão a estar aqui.


Pauta para a 33ª Edição Poemas do Bloínquês.

5 comentários:

  1. Um conceito de tempo bastante real. Por que, infelizmente ou felizmente talvez, o tempo não volta mesmo. Não congela, não se apressa, só nos carrega.
    Eduarda não é questão de que ele não seja homem de uma só mulher, é questão dele sofrer dupla-personalidade- uma doença- mas acho que isso não deve ter ficado muito claro. Perdoe-me. Mas agora, os fatos estão esclarecidos;

    Grande beijo;

    ResponderExcluir
  2. Poisé Jaynne, com certeza ele não volta mais!
    Oh, quando usei o termo "homem de uma só mulher" quiz dizer que ele não seria somente dela, desculpe me expressar errado. Ah não, que isso. Seu texto está ótimo, eu que sou uma desligada mesmo! Sim, agora está entendido, obrigada *-*

    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. amiga, ficou otimo o poema!
    O medo talvez seja o fator principal pelo qual acabamos mentindo a nós mesmo, e sentindo saudade da oportunidade de nos atrever que perdemos. São unicos os momentos, e apenas nós podemos aproveita-los da melhor forma possivel, sem que no futuro existam arrependimentos.
    Torcendo por ti na edição, *--*
    Beeijos amiga (:

    ResponderExcluir
  4. Ah amiga, obrigada! O medo que nos consome de se atrever, será a geração de arrependimentos no futuro. Faça e aproveite cada momento bom, porque eles nunca mais voltarão.
    Own amiga, muito obrigada, fico tão feliz *o*

    Beijo Beijo;

    ResponderExcluir
  5. Ortografia: Tente começar as frases individuais com letra maiúscula. Os poemas têm uma estrutura própria e se diferem principalmente de uma crônica ou de um conto. Você pode alternar o número de linhas de cada estrofe, mas é bom prestar atenção no sentido que deseja passar senão você caba se demorando demais em uma idéia deixando-a repetitiva, logo, cansativa. Sobre a pontuação, as vírgulas exigem mais cuidado do que os pontos; e seu uso indevido prejudica a qualidade do texto. Uma dica para você entender essa sutil diferença se daria na troca da vírgula após a palavra contratempos por um ponto. A frase seguinte seria independente e enriqueceria o poema com outra interpretação. A última estrofe ficou confusa. Evite usar frases longas agora, aprimore o conhecimento das técnicas do poema e assim você terá um leque de formas para escrevê-los. E cuidado quando for digitar, é bom reler o texto para que o texto não perca o sentido em determinado momento.
    Rima: Os problemas com a pontuação e algumas palavras/termos desarmonizaram seu poema, nada muito grave se fosse outro estilo literário. Mas a pontuação e o uso correto das palavras, e dos seus sentidos, fazem toda a diferença no ritmo da leitura poética.
    Adequação ao Tema: Como eu já disse, a última estrofe soa confusa, portanto me fez acreditar que você se perdeu no tema.
    Criatividade: Ficou prejudicada pela última estrofe, mas são necessários poucos ajustes para sanar esse problema.
    Att, Moderação Poemas.

    ResponderExcluir